• Angélica Ribeiro

A importância da arte para a psicologia infantil

A neuropsicóloga Tatiana Isleb, a qual trabalha de forma clínica ajudando o desenvolvimento da relação entre pais e filhos, concede entrevista para o blog da artista Angélica Ribeiro respondendo questões sobre a importância da arte no desenvolvimento infantil.


Retrato da psicóloga Tatiana Isleb
Retrato da psicóloga Tatiana Isleb

(Angélica Ribeiro) Olá Tatiana, tudo bem com você? Por favor, apresente-se aos leitores do blog falando um pouco sobre você e sua profissão.


(Tatiana Isleb) Oi!! Claro! Bom, eu me chamo Tatiana e sou psicóloga. Sou apaixonada pelo cérebro e pela infância! Por isso sou neuropsicóloga por formação e meu foco de atendimento na clínica são as crianças de todas as idades. A parte que mais gosto no meu trabalho é ajudar os pais que têm alguma dificuldade com seus filhos, desde o nascimento até a adolescência. Afinal, filhos não vem com manual. 



(Angélica Ribeiro) Como psicóloga que tem um olhar atento para a infância, qual a importância da prática artística e do aprendizado sobre arte para o desenvolvimento infantil?


(Tatiana Isleb) Por muito tempo a educação focou no desenvolvimento das habilidades lógico-matemáticas, deixando de lado todas as outras áreas de conhecimento, como se fossem menos importantes. 

Até que poucas décadas atrás começou a ter evidência o conceito de múltiplas inteligências, envolvendo todas as áreas  do desenvolvimento humano: linguística, musical, espacial, corpórea-cinestésica, interpessoal e naturalista. Afinal, algumas pessoas podem ter muitas dificuldades na área lógica-matemática, mas serem brilhantes nas demais áreas - e não é por isso que são “menos inteligentes”. 

A partir disso, muitos pesquisadores se dedicaram a entender como o cérebro do artista funciona. E os achados são lindos! Pois descobriram que a prática de artes engloba quase todas essas habilidades. Quando um músico ou pintor passa por um exame de imagem, parece que é natal no seu cérebro: todas as áreas brilham, funcionando ao mesmo tempo e em harmonia!

Eu passaria horas escrevendo sobre isso, pois há tanta evidência de que a prática artística é essencial para o desenvolvimento infantil! Quando uma criança esta envolvida com a arte ela tem contato com texturas, sons, movimentos, sequências lógicas e tantos outros elementos que estimulam todos os sentidos e diversas funções cognitivas. 



(Angélica Ribeiro) A arte contribui para a criatividade, para uma boa autopercepção e para uma boa comunicação visual e sensível. Como a falta do desenvolvimento dessas qualidades na infância pode afetar a vida adulta de uma pessoa?


(Tatiana Isleb) Eu acrescentaria mais muitas funções que a prática artística pode estimular: planejamento, atenção, memória, coordenação motora, habilidades sociais, autofeedback, percepção (visual, tátil, auditiva, cinestésica e outras), controle inibitório, linguagem… e muitas outras! 

E tudo isso com um incremento que chamamos de motivação! Afinal, as artes despertam emoções tornando o aprendizado enriquecido pelo prazer da atividade! Sabemos que o aprendizado (o registro de novas informações para o desenvolvimento de novas habilidades) é mediado pelas emoções. Quando mais intensas, maior é a intensidade do registro no cérebro - menor a probabilidade de esquecer o novo conteúdo. 

Portanto, uma criança em contato com as artes tem uma chance muito maior de desenvolver as funções cognitivas necessárias para ser um adulto competente nas diversas áreas de conhecimento! 

Por exemplo: sabemos que aprender um instrumento musical ajuda a melhorar as habilidades matemáticas! Como? Oras, música é pura matemática, com toda a segmentação dos sons e tempos de uma música, regada a muito sentimento e afeto! A combinação perfeita para preparar o cérebro para aprender a somar, dividir, multiplicar e diminuir. 

Outro exemplo: para pintar um quadro, um artista precisa planejar suas ações antes de iniciar seu projeto. Quais materiais vai utilizar, quais elementos colocará primeiro, quanto tempo precisará, qual resultado ele espera obter - e tudo isso esta utilizando nosso lobo frontal, responsável pelo planejamento e execução de atividades complexas. Já imaginou essa mesma pessoa elaborando um projeto na empresa? Sucesso não é mesmo?

Respondendo diretamente sua pergunta: o prejuízo de uma infância sem artes? Um aprendizado chato e difícil de habilidades que são tão fundamentais na vida adulta.  



(Angélica Ribeiro) De que maneira pais, mães e até mesmo professores podem utilizar ferramentas artísticas para contribuir para uma infância saudável e com um bom desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças?


(Tatiana Isleb) Para os pais a minha sugestão é:conheça os interesses da criança. O que ela curte fazer? Pintar, dançar, construir, escrever - precisamos saber disso antes de engaja-la em uma atividade específica. Não é nada produtivo forçar a criança a passar horas em aulas e práticas em algo que não gera interesse. Todos nós conhecemos alguém que foi obrigado a fazer aulas de piano por anos e que hoje sente raiva do instrumento. 

A arte precisa ser prazerosa - é o prazer que faz o cérebro brilhar ainda mais!!!

Quando souber do que sua criança gosta, propicie isso para ela! Hoje existem tantas oportunidades com o ensino on-line que já não existem desculpas para não oferecer isso às crianças. 

E aos professores eu diria: experimentem a delícia que é transmitir o mesmo conteúdo com o envolvimento das artes! Toda disciplina pode ter um toque artístico! Desde a história das artes até o movimento de uma dança, uma música para registrar o conteúdo associado ao conhecimento de artistas consagrados, o uso de texturas e a “bagunça” gostosa com diferentes materiais… Estamos na era de integrar conhecimentos e para isso precisamos ser criativos!!!