• Angélica Ribeiro

As relações entre o Natal e a arte

Comemorado a cada ano no dia 25 de dezembro pelos cristãos ocidentais, o Natal é uma festa integrante das comemorações de final de ano, a qual celebra o nascimento de Jesus, o filho de Deus. E de que maneira essa comemoração se relaciona com as artes?




A IGREJA

Durante muitos séculos, a Igreja fomentou a arte e incentivou sua produção. Não é à toa que encontramos na história diversas obras vinculadas ao cristianismo, desde "Os três hebreus na fornalha" produzida pelos integrantes da igreja primitiva e anterior a institucionalização da religião, até a majestosidade dos afrescos pintados no teto da Capela Sistina por Michelangelo.

Com o decorrer da história, ocorreu a Reforma Protestante e com ela novas possibilidades surgiram liberando artistas para produzirem temas de interesses pessoais e, segundo a comunicadora Amanda Almeida em publicação para Ultimato, isso possibilitou a valorização da beleza encontrada em experiências diárias comuns.

NATAL

As histórias de Jesus possuem incontáveis representações artísticas, desde o anúncio de sua vinda como homem na Terra até sua ressurreição. Seu nascimento, em especial, é um marco tão importante para a história que é o fato que divide a contagem dos anos entre antes e depois de Cristo.

Inúmeras são as natividades, obras de arte que representam o Natal. Segundo o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, há uma imensidão de obras que representam a natividade de maneira emblemática na arte cristã. São várias as obras que valorizam Maria com o Deus menino em seus braços, que apresentam a simplicidade do nascimento de um bebê divino numa estrebaria e que expressam a espiritualidade cristã durantes longos séculos.

Algumas dessas obras são: "A virgem e o menino entronado" de Giovanni Cimabue, "Natividade com S. Francisco e S. Lourenço" de Michelangelo Caravaggio e "O nascimento de Cristo à la Tahitiano" de Paul Gauguin.